O ameaçado sapinho-da-restinga de Setiba

materia sapinho da restinga

Melanophryniscus setiba

Por Jane C.F.de Oliveira

 

Uma espécie endêmica é aquela que ocorre apenas em uma dada área ou região geográfica. Em geral, o isolamento de espécies endêmicas em áreas restritas ocorre devido à presença de barreiras, sejam elas físicas, geográficas ou climáticas. Uma característica importante das espécies endêmicas é o fato delas terem necessidades específicas relacionadas ao ambiente em que vivem, o que as torna ameaçadas de extinção por perda de hábitat. 

O Parque Estadual Paulo Cesar Vinha (PEPCV) abriga uma dessas espécies: o Melanophryniscus setiba (sapinho-da-restinga). Este anfíbio de pequeno porte foi descrito em 2012 e é considerado hoje pelo MMA (Ministério do Meio Ambiente) como Criticamente em Ameaçada, uma categoria que representa espécies com elevado risco de extinção. Este grau de ameaça se deve ao fato da espécie ocorrer somente em uma pequena área de floresta de restinga dentro desse parque. Melanophryniscus setiba vive no chão da floresta, onde depende da umidade proveniente das folhas depositadas pelas árvores.  

O pequeno tamanho (em média 15 mm de comprimento) e a coloração críptica (que serve para ocultá-lo) faz com que os indivíduos dessa espécie sejam raramente observados durante as pesquisas de campo. Embora muitos estudos estejam sendo realizados com o objetivo de estudar as espécies de anfíbios do PEPCV, ainda não existem informações conclusivas a respeito da reprodução ou sobre dieta desta espécie. Algumas informações sugerem que ela se alimente de pequenas formigas e de ácaros presentes no chão da floresta e que se reproduza em bromélias presentes ao longo da restinga (Peloso et al. 2012). 

Além de ser uma espécie restrita a esta localidade, o M. setiba está ainda ameaçado pela especulação imobiliária no entorno da unidade de conservação. A constante pressão econômica e política para a construção de empreendimentos em todo o litoral não é diferente nesta região do estado do Espírito Santo, o que torna o ambiente de ocorrência desta espécie severamente ameaçado. Além disso, as queimadas que atingem o parque durante os períodos de seca agravam ainda mais o problema. 

O Parque Estadual Paulo César Vinha 

O PEPCV foi criado em 1990 com o nome de Parque de Setiba. Em 1994, ele passou a ser chamado pela denominação atual em homenagem ao biólogo Paulo César Vinha, assassinado por conta da sua luta pela preservação da área. A unidade de conservação está localizada no município de Guarapari, no sudeste do estado do Espírito Santo, e protege 1.500 hectares de florestas de restingas, dunas, praia e lagoas, abrigando espécies endêmicas e ameaçadas da fauna e da flora.

 

Informações adicionais sobre a espécie podem ser encontradas no artigo:Peloso, P.L.V.; Faivovich, J.; Grant, T.; Gasparini, J.L. & Haddad, C.F. 2012. An Extraordinary New Species of Melanophryniscus (Anura, Bufonidae) from Southeastern Brazil. American Museum Novitates, 3762(14): 1-32.

Informações adicionais sobre as ameaças aos ambientes de restinga podem ser encontradas no artigoRocha, CFD.Bergallo, HG. ; Van Sluys, M. ; Alves, MAS. ; Jamel, CE. . The remnants of restinga habitats in the brazilian Atlantic Forest of Rio de Janeiro state, Brazil: habitat loss and risk of disappearance. Brazilian Journal of Biology, v. 67, p. 263-273, 2007. 

 

Informações adicionais sobre as comunidades de anfíbios em restingas do Brasil podem ser encontradas no artigo: OLIVEIRA, JANE C. F.; ROCHA, CARLOS FREDERICO DUARTE. Journal of coastal conservation: a review on the anurofauna of Brazil’s sandy coastal plains. How much do we know about it?. Journal of Coastal Conservation, v. 19, p. 35-49, 2015.